Postagens

Mostrando postagens de Setembro, 2018

Precisamos falar (de novo) sobre os namorados da Rory, de Gilmore Girls

Imagem
Atenção: esse texto foi patrocinado pela retirada de dois sisos e um pote de Ben&Jerry's consumido enquanto eu revia a primeira temporada de Gilmore Girls. Qualquer reclamação, favor dirigir-se à gerência rs Quando foi anunciado o revival da série, assumir lados e escolher seus times era quase que inevitável. Umas eram Team Dean , outras Team Logan e algumas mais sábias (rssssss) eram Team Jess . Por isso, decidi escrever esse texto separando-o em blocos de namorados e por ordem cronológica, por isso, nada mais natural que começarmos por ele, o futuro caça-fantasmas.  Gif: Katja Cho Dean Forester O primeiro amor, o fofo, romântico e que vive por ela. Ou seja, problema . Eu achava o Dean fofinho até o momento em que ele começou a cobrar da Rory um amor que ela ainda não se sentia preparada a corresponder. O cara terminou com a mina porque ela não conseguiu falar "eu te amo" , sabe?  Dean é o típico cara que tem a síndrome de Pequeno Príncipe em que v

Estive pensando sobre o que é arte

Imagem
Esses dias me disseram, da forma mais doce do mundo, que eu faço arte. No sentido literal, mesmo, e não da forma que nossos pais usavam para repreender alguma bagunça. Eu sorri nervosa e disse que não, que de forma alguma isso que eu faço pode ser categorizado como arte. O que eu faço são textos pessoais que, por sorte, fazem uma ou outra pessoa sentirem algo. Diante da minha explicação, a réplica: “Então! Isso é arte” , a pessoa me reafirmou. E desde então, eu fiquei com isso na cabeça - por tanto tempo que precisei transformar em texto. Nesse texto. A arte é tão abstrata que ela possui diversas definições. Platão e Aristóteles já divergiam sobre o assunto quando o nosso conceito de estética ainda estava por ser construído (constituído?) – e a definição é tão subjetiva que você pode escolher seu significado com base na sua linha filosófica favorita, por exemplo. Partindo do princípio de que até a resposta para essa pergunta é subjetiva e, por vezes, até controversa, repito:

2 filmes e 1 série para assistir em japonês na Netflix

Imagem
Ou também conhecido como "um post para te contar as últimas coisas orientais que eu assisti por esses tempos". Eu poderia começar esse post falando que estou viciada em BTS . Tudo começou  despretensiosamente, quando o Spotify me indicou Fake Love há algum tempo. Confesso que não levei essa relação muito à diante, até que, certo dia, eles lançaram um feat com a Nicki Minaj. Pronto: BTS entrou na minha playlist e não saiu mais. Desde esse primeiro contato, venho percebendo que quase diariamente, hashtags referentes a outras bandas (grupos?) de k-pop aparecem nos trending topics do Twitter e além de me mostrar a dimensão que esse fenômeno coreano tem no Brasil, me fez lembrar de um outro fenômeno que vivi há alguns anos, que apesar de também oriental, veio lá do Japão: o movimento otaku .  Nos primórdios dos meus blogs (quando ele ainda se chama radio:ACTIVE), eu consumia muito anime e mangá e, consequentemente, falava muito sobre o assunto. Se não me engano, a primei

"Eu tenho muita gente incrível"

Imagem
Sem exagerar, eu posso dizer pra você que existem 13 textos começados, salvos nos rascunhos desse blog, falando sobre meus amigos . E se você tiver tempo ocioso e quiser ver o quanto eles inspiraram vários outros textos, pode fuçar essa página e encontrar mais outros contando o quanto eles são incríveis e mudaram minha vida em algum momento. Dada essa introdução, não será nenhuma surpresa para você que eu comece esse texto dizendo que, meu deus, eu tenho muita gente incrível. No último dia 31, foi o lançamento do meu livro - aliás, você já tem um pra chamar de seu? Ele tá a coisa mais bonita do mundo e nem é porque é "o meu livro", viu? - e eu estava em um misto de emoções muito loucas. Ao mesmo tempo em que estava extremamente feliz, eu estava extremamente nervosa. Estava animada, mas estava ansiosa. Orgulhosa e aflita. Tudo assim, divididinho, sendo sentido igualzinho, como uma boa geminiana consegue fazer. Consequência de todo esse conflito, o dia 31 foi um dia esp

Precisamos falar (de novo) sobre os namorados da Rory, de Gilmore Girls

Imagem
Atenção: esse texto foi patrocinado pela retirada de dois sisos e um pote de Ben&Jerry's consumido enquanto eu revia a primeira temporada de Gilmore Girls. Qualquer reclamação, favor dirigir-se à gerência rs Quando foi anunciado o revival da série, assumir lados e escolher seus times era quase que inevitável. Umas eram Team Dean , outras Team Logan e algumas mais sábias (rssssss) eram Team Jess . Por isso, decidi escrever esse texto separando-o em blocos de namorados e por ordem cronológica, por isso, nada mais natural que começarmos por ele, o futuro caça-fantasmas.  Gif: Katja Cho Dean Forester O primeiro amor, o fofo, romântico e que vive por ela. Ou seja, problema . Eu achava o Dean fofinho até o momento em que ele começou a cobrar da Rory um amor que ela ainda não se sentia preparada a corresponder. O cara terminou com a mina porque ela não conseguiu falar "eu te amo" , sabe?  Dean é o típico cara que tem a síndrome de Pequeno Príncipe em que v

Estive pensando sobre o que é arte

Imagem
Esses dias me disseram, da forma mais doce do mundo, que eu faço arte. No sentido literal, mesmo, e não da forma que nossos pais usavam para repreender alguma bagunça. Eu sorri nervosa e disse que não, que de forma alguma isso que eu faço pode ser categorizado como arte. O que eu faço são textos pessoais que, por sorte, fazem uma ou outra pessoa sentirem algo. Diante da minha explicação, a réplica: “Então! Isso é arte” , a pessoa me reafirmou. E desde então, eu fiquei com isso na cabeça - por tanto tempo que precisei transformar em texto. Nesse texto. A arte é tão abstrata que ela possui diversas definições. Platão e Aristóteles já divergiam sobre o assunto quando o nosso conceito de estética ainda estava por ser construído (constituído?) – e a definição é tão subjetiva que você pode escolher seu significado com base na sua linha filosófica favorita, por exemplo. Partindo do princípio de que até a resposta para essa pergunta é subjetiva e, por vezes, até controversa, repito:

2 filmes e 1 série para assistir em japonês na Netflix

Imagem
Ou também conhecido como "um post para te contar as últimas coisas orientais que eu assisti por esses tempos". Eu poderia começar esse post falando que estou viciada em BTS . Tudo começou  despretensiosamente, quando o Spotify me indicou Fake Love há algum tempo. Confesso que não levei essa relação muito à diante, até que, certo dia, eles lançaram um feat com a Nicki Minaj. Pronto: BTS entrou na minha playlist e não saiu mais. Desde esse primeiro contato, venho percebendo que quase diariamente, hashtags referentes a outras bandas (grupos?) de k-pop aparecem nos trending topics do Twitter e além de me mostrar a dimensão que esse fenômeno coreano tem no Brasil, me fez lembrar de um outro fenômeno que vivi há alguns anos, que apesar de também oriental, veio lá do Japão: o movimento otaku .  Nos primórdios dos meus blogs (quando ele ainda se chama radio:ACTIVE), eu consumia muito anime e mangá e, consequentemente, falava muito sobre o assunto. Se não me engano, a primei

"Eu tenho muita gente incrível"

Imagem
Sem exagerar, eu posso dizer pra você que existem 13 textos começados, salvos nos rascunhos desse blog, falando sobre meus amigos . E se você tiver tempo ocioso e quiser ver o quanto eles inspiraram vários outros textos, pode fuçar essa página e encontrar mais outros contando o quanto eles são incríveis e mudaram minha vida em algum momento. Dada essa introdução, não será nenhuma surpresa para você que eu comece esse texto dizendo que, meu deus, eu tenho muita gente incrível. No último dia 31, foi o lançamento do meu livro - aliás, você já tem um pra chamar de seu? Ele tá a coisa mais bonita do mundo e nem é porque é "o meu livro", viu? - e eu estava em um misto de emoções muito loucas. Ao mesmo tempo em que estava extremamente feliz, eu estava extremamente nervosa. Estava animada, mas estava ansiosa. Orgulhosa e aflita. Tudo assim, divididinho, sendo sentido igualzinho, como uma boa geminiana consegue fazer. Consequência de todo esse conflito, o dia 31 foi um dia esp