Livros lidos em janeiro

 Ter ganhado um Kindle no Natal mudou meus hábitos de leitura. Só em janeiro eu li 6 livros - feito que não acontecia desde a adolescência. Troquei a visita aos instas de fofoca quando me deitava, pela leitura antes de dormir - e quando menos percebi, já tinha atingido minha 25% da minha meta anual de leitura. E como li livros realmente bons, vim aqui dividir essas indicações com vocês.

Jhumpa Lahiri Aguapés e kindle

🦗 TRÂNSITO, Rachel Cusk. 

Eu fiquei obcecada pelo Esboço, o primeiro livro dessa trilogia. Talvez por ter ido com tanta expectativa, demorei pra me sentir realmente dentro da leitura, coisa que o Esboço fez facilmente. A escrita da Rachel continua incrível e amo como a gente conhece a protagonista por meio de suas conversas e suas perguntas. Apesar de não ter sido o favorito do mês, sem dúvidas é uma grande leitura - e não vejo a hora da tradução de Kudos, o último, chegar por aqui. 

🎈 ALTOS VOOS E QUEDAS LIVRES, Julian Barnes. 

Um livro que traça um paralelo entre os primórdios do balonismo e o luto. A euforia de alcançar o céu e a dor de perder a sua pessoa no mundo. Um livro que te faz refletir sobre vida, morte e sobre relações. Mexeu tanto comigo que virou até texto (que você pode ler no post anterior). 

🛏️ UM TETO PARA DOIS, Beth O'Leary. 

Depois de um livro pesado, eu precisava de uma comédia romântica bem docinha, bem levinha e bem gostosa. Confesso que não é tão levinha quanto parece (fala muito de relação abusiva e pode até trazer alguns gatilhos), mas que delícia que foi ler Um Teto Para Dois. Eu simplesmente devorei o livro e só parei de ler quando cheguei na última página. Fazia muito tempo que isso não acontecia - e o mérito é todinho de Tiffy e Leon. 

🇮🇳 AGUAPÉS, Jhumpa Lahiri. 

Digo sem exagero algum: foi um dos melhores livros que li na vida. A escrita e o desenvolvimento de personagens de Jhumpa Lahiri é algo genial e a forma com que ela imprime sua cultura em todas as suas obras é algo incrível. Nesse livro, a gente não só viaja pelas vilas de Calcutá, como aprende sobre a política na Índia, sobre os movimentos naxalistas e comunistas do país, sobre o papel da mulher naquela sociedade. É um livro tão incrível que e eu terminei o leitura aos prantos. Um pouco porque não estava preparada para o final, mas principalmente não querer dar adeus à escrita da Jhumpa. 

💪🏻 CLUBE DA LUTA FEMINISTA, Jessica Bennett. 

Depois de ficar arrasada com Aguapés, eu decidi que não leria outra ficção na sequência, então, fui ler esse que me foi tão recomendado. Acho que foi tão, tão recomendado, que achei meio... Superestimado. É claro que ele tem informações importantes, faz recortes de raça, 45679 referências... Mas atrela gênero a órgão ¯\_(ツ)_/¯ , quero dizer... Se você é tão progressista, porque raios sua narrativa ainda está presa a uma ppk? 

💯 CEM, Heike Faller e Valerio Vidali. 

Um livro de ilustrações que traz as respostas de pessoas dos 3 aos 100 anos para a pergunta: "O que você aprendeu na vida?". É lindo, tanto o projeto editorial quanto as diferentes lições que podemos aprender até os 99 anos. Um ótimo livro pra dar de presente :)

_

Post feito lá no meu Instagram (@michelecontel) relatando um pouco das minhas leituras. 

Comentários

Livros lidos em janeiro

 Ter ganhado um Kindle no Natal mudou meus hábitos de leitura. Só em janeiro eu li 6 livros - feito que não acontecia desde a adolescência. Troquei a visita aos instas de fofoca quando me deitava, pela leitura antes de dormir - e quando menos percebi, já tinha atingido minha 25% da minha meta anual de leitura. E como li livros realmente bons, vim aqui dividir essas indicações com vocês.

Jhumpa Lahiri Aguapés e kindle

🦗 TRÂNSITO, Rachel Cusk. 

Eu fiquei obcecada pelo Esboço, o primeiro livro dessa trilogia. Talvez por ter ido com tanta expectativa, demorei pra me sentir realmente dentro da leitura, coisa que o Esboço fez facilmente. A escrita da Rachel continua incrível e amo como a gente conhece a protagonista por meio de suas conversas e suas perguntas. Apesar de não ter sido o favorito do mês, sem dúvidas é uma grande leitura - e não vejo a hora da tradução de Kudos, o último, chegar por aqui. 

🎈 ALTOS VOOS E QUEDAS LIVRES, Julian Barnes. 

Um livro que traça um paralelo entre os primórdios do balonismo e o luto. A euforia de alcançar o céu e a dor de perder a sua pessoa no mundo. Um livro que te faz refletir sobre vida, morte e sobre relações. Mexeu tanto comigo que virou até texto (que você pode ler no post anterior). 

🛏️ UM TETO PARA DOIS, Beth O'Leary. 

Depois de um livro pesado, eu precisava de uma comédia romântica bem docinha, bem levinha e bem gostosa. Confesso que não é tão levinha quanto parece (fala muito de relação abusiva e pode até trazer alguns gatilhos), mas que delícia que foi ler Um Teto Para Dois. Eu simplesmente devorei o livro e só parei de ler quando cheguei na última página. Fazia muito tempo que isso não acontecia - e o mérito é todinho de Tiffy e Leon. 

🇮🇳 AGUAPÉS, Jhumpa Lahiri. 

Digo sem exagero algum: foi um dos melhores livros que li na vida. A escrita e o desenvolvimento de personagens de Jhumpa Lahiri é algo genial e a forma com que ela imprime sua cultura em todas as suas obras é algo incrível. Nesse livro, a gente não só viaja pelas vilas de Calcutá, como aprende sobre a política na Índia, sobre os movimentos naxalistas e comunistas do país, sobre o papel da mulher naquela sociedade. É um livro tão incrível que e eu terminei o leitura aos prantos. Um pouco porque não estava preparada para o final, mas principalmente não querer dar adeus à escrita da Jhumpa. 

💪🏻 CLUBE DA LUTA FEMINISTA, Jessica Bennett. 

Depois de ficar arrasada com Aguapés, eu decidi que não leria outra ficção na sequência, então, fui ler esse que me foi tão recomendado. Acho que foi tão, tão recomendado, que achei meio... Superestimado. É claro que ele tem informações importantes, faz recortes de raça, 45679 referências... Mas atrela gênero a órgão ¯\_(ツ)_/¯ , quero dizer... Se você é tão progressista, porque raios sua narrativa ainda está presa a uma ppk? 

💯 CEM, Heike Faller e Valerio Vidali. 

Um livro de ilustrações que traz as respostas de pessoas dos 3 aos 100 anos para a pergunta: "O que você aprendeu na vida?". É lindo, tanto o projeto editorial quanto as diferentes lições que podemos aprender até os 99 anos. Um ótimo livro pra dar de presente :)

_

Post feito lá no meu Instagram (@michelecontel) relatando um pouco das minhas leituras. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Papo Calcinha: É OK vasculhar o celular do namorado?

Precisamos falar (de novo) sobre os namorados da Rory, de Gilmore Girls

Estive pensando sobre o que é arte